Direito Ambiental

Direito Ambiental é o ramo voltado para a proteção jurídica da qualidade e da sustentabilidade do meio ambiente. Rico em biodiversidade e extensão territorial, o Brasil possui uma complexa Legislação Ambiental, com diferentes enfoques e vinculações, o que torna fundamental para as corporações, um conhecimento jurídico especializado na área para evitar vulnerabilidades e danos ambientais.

O Direito Ambiental abrange cinco manifestações: o patrimônio genético, o meio ambiente natural ou físico, o meio ambiente artificial (espaço urbano construído).

A Palácio Dantas atua em todos esses segmentos ambientalistas, assessorando seus clientes na prevenção dos danos e na realização de todas as obrigações de responsabilidade social/ambiental, impostas pelo Poder Público, para a realização das atividades empresariais.

Entre os principais serviços da esfera de Direito Ambiental, nos quais a Palácio Dantas possui anos de experiência e qualificação, estão:

  • Acompanhamento de processos administrativos de licenciamento ambiental e infrações administrativas
  • Patrocínio de processos judiciais civis ou criminais, vinculados à legislação ambiental

 

 

 

 

  • Empresa deixa de ser tributada em ações trabalhistas

    Empresa consegue na Justiça o direito de ser restituída e não pagar contribuição previdenciária patronal sobre verbas trabalhistas reconhecidas em decisões judiciais, sob o fundamento de realizar os recolhimentos da Contribuição Previdenciária sobre a Receita Bruta (CPRB).

    Leia Mais
  • Justiça autoriza pagar INSS com créditos de PIS e COFINS

    Justiça autoriza pagar INSS com créditos de PIS e COFINS Empresa consegue decisão favorável autorizando a compensação de débitos previdenciários com créditos de PIS e Cofins, resultante da exclusão do ICMS da base de cálculo, denominada de compensação cruzada.

    Leia Mais
  • EMPRESA OBTÉM DECISÃO QUE MODIFICOU ÍNDICE DE CORREÇÃO

    EMPRESA OBTÉM DECISÃO QUE MODIFICOU ÍNDICE DE CORREÇÃO Em decorrência de dificuldades financeiras originárias da pandemia, empresas buscam pelo judiciário e conseguem liminar para rever índice de correção de alugueis, migrando do IGP-M (23,14%) para o IPC (5,62%) em 2.020.

    Leia Mais